[RESENHA] LEGERE OCULIS


A História

Em "O Pentagrama" somos envolvidos por um ambiente escolar, com todas as peculiaridades inerentes a este ambiente. Estamos no meio de jovens e vivemos com eles os percalços da adolescência.

"Alex sorriu em sua direção e ela sentiu algo novo. Uma onda quebrou-se na arrebentação do seu coração. Temeu ser esperança e não queria tê-la para não se decepcionar." (Pág: 20)

É nesse sentido que conhecemos Sarah e seu grupo de amigos. Não bastasse todas as confusões vividas na escola, outros acontecimentos andam perturbando a paz da cidade. Mas qual a relação entre Sarah e esses assombrosos acontecimentos? O que há por trás de tudo isso?

Minha Leitura

PARTE I

Gente, como essa resenha ficou extensa, eu preferi dividí-la em duas partes, assim, para não ficar cansativo, vocês podem ler a primeira parte e depois voltarem ao blog para lerem a continuação. ;)

Logo de início a leitura já despertou meu interesse por conta do ambiente em que se desenvolve a maior parte da história. O ambiente escolar faz parte da minha vida, e foi super interessante enxergar exatamente o que vejo no meu dia-a-dia nas páginas de um livro.

Dessa maneira, somos envolvidos também por todas as dificuldades que permeiam essa fase da vida. É uma fase de mudanças e descobertas. E assuntos que constantemente são discutidos nesse momento da vida não são deixados de lado na história. A gravidez inesperada é abordada de forma leve. O consumo de drogas é abordado com maior intensidade, demonstrando o quanto esse vício atrapalha a vida de uma pessoa na família, na escola e na sociedade.

"As ondas que sempre a levavam finalmente a tinham carregado a um destino: a praia tropical que era o corpo de Bruno. A areia formigava em sua pele e o atrito dava-lhe prazer. Estavam cada vez mais próximos, envolvidos um no outro. " (Pág: 126)

Não bastasse isso, a confusão de sentimentos também se faz presente na história. Sarah é  ingênua em alguns pontos, mas se mostra esperta em outros, o que demonstra a construção de sua personalidade que vai tomando forma conforme as experiências que a personagem tem pela frente. O amor também está em pauta, e assim como Sarah, também ficamos confusos quanto aos sentimentos da garota em relação a Alex e a Bruno.

Um ponto que merece e deve ser mencionado é o mistério que circunda toda a história. Paralelo as confusões de sentimento de Sarah e aos preparativos para a Feira Cultural assassinatos misteriosos assolam a cidade. As descrições do autor no que concerne a esses crimes são perfeitas, meticulosas e assustadoras. Fora isso, são também esses crimes que permitem a evolução da leitura, pois a narrativa se alterna entre os momentos românticos e os mistérios.

"Não estavam se reconciliando, pois não tinham brigado. Estavam se reconstruindo, ajudando uma à outra e fortalecendo sua amizade" (Pág: 152) 

PARTE II 

Vitor Mendes escreve com dedicação e percebemos esse empenho quando lemos o livro e observamos o quanto a leitura flui facilmente e o quanto conseguimos entender e assimilar bem todas as ideias que são inseridas pelo autor durante o texto.

Achei bem interessante também a conexão que é feita entre os fatos. Somos constantemente levados a acreditar que alguém é o verdadeiro criminoso, mas descobrimos que também somos enganados assim como os personagens da história, que se enganam com o disfarce deste assassino. Muito interessante também é uma conexão que existe entre o início e o fim da história, no começo, lemos uma notícia de jornal, que passa despercebida, mas no desfecho da história é que nos damos conta do quanto essa notícia influencia todo o seu desenvolvimento.

Percebemos no final da história um gancho do autor para quem sabe uma continuação da história. E essa pergunta se agrega a uma que venho fazendo desde que comecei a leitura do livro: seria Vitor Mendes um autor profissional disfarçado de amador? O que me leva a outro questionamento, onde estão essas Editoras que ainda não se deram conta da história perfeita por trás de "O Pentagrama?"

"Uma textura macia deslizou suavemente por cada poro. Arrepios incontroláveis percorreram o corpo, suas pernas tremeram e uma vontade muito forte de entregar-se à sensação surgiu. Então ele soube o que estava presenciando. Tratava-se do amor, pura e simplesmente." (Pág: 277)

Ah, até o prefácio me agradou demasiadamente. Também não gosto dos parnasianos e não acredito em obras perfeitas, pois perfeição não se alcança somente com a estrutura, mas sim com uma junção que pode perfeitamente ser observada em "O Pentagrama", um texto bem escrito, uma história boa e que abre sua imaginação e te coloca pra refletir, acima de tudo te faz sentir.

Pessoas, preciso dizer algo mais? Recomendo que comprem o livro e que comecem a leitura já, pois vale muito a pena. De verdade, não digo isso por ser um autor parceiro, mas sim por ser verdadeiro, a história é excepcionalmente maravilhosa!!!

Para finalizar gostaria de agradecer ao autor por ter ligado nosso blog a sua obra, por ter acreditado em nosso trabalho e acima de tudo por nos presentear com uma obra tão marcante e envolvente! Obrigado!

"A forma como um escritor decide usar seus parênteses, aspas, vírgulas, travessões ou o raio que o parta é uma decisão pura e exclusiva dele" (Pág: 03)

Resenha por Raimundo Ferreira